FalandoSobreCâncer

Câncer de próstata inicial: podemos somente observar?

Câncer de próstata inicial: podemos somente observar?

O câncer de próstata afeta muitos homens no mundo e seu tratamento tem mostrado muitos avanços nos últimos anos. Geralmente a doença é localizada, detectada por rastreamento realizado com PSA. O tratamento depende do estágio da doença e tumores iniciais podem ser tratados com cirurgia, radioterapia, bloqueio hormonal e até mesmo observação(clique aqui).

Muitos pacientes ficam inseguros de não iniciarem um tratamento logo ao diagnóstico. O estudo americano PIVOT, publicado em agosto/17 em uma revista de grande relevância na Oncologia, mostrou que pacientes com câncer de próstata localizado podem ser conduzidos apenas com observação, sem diferença significativa na mortalidade quando comparados com o tratamento cirúrgico.

Esse estudo avaliou 731 homens com câncer de próstata localizado com valores de PSA menores que 50 ng/mL (média de 7,8 ng/mL), submetidos à prostatectomia radical (retirada da próstata) ou somente observação (controle de PSA e avaliação de sintomas). O desfecho primário foi mortalidade por todas as causas e, após quase 20 anos de seguimento, o estudo mostrou que o tratamento cirúrgico não foi associado a taxa de mortalidade significativamente menor que a observação, principalmente em pacientes com PSA menor que 10 ng/dL.

Os pacientes submetidos à cirurgia apresentaram menor frequência de progressão assintomática ou local da doença, porém com maiores índices de complicações (incontinência urinária e disfunção erétil).

A decisão do melhor tratamento nem sempre é fácil. O tratamento do câncer de próstata deve ser individualizado, levando em consideração as caraterísticas de cada paciente e o perfil de agressividade da doença.

 

Referência:
http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1615869

 

Autora

Dra Ana Carolina Barbosa CRM MG 54625

Médica residente de Oncologia clínica do Hospital Felicio Rocho

Leia Mais

Trastuzumabe para câncer de mama metastático será incorporado ao SUS

Trastuzumabe para câncer de mama metastático será incorporado ao SUS

Publicado na quinta-feira, dia 03 de agosto de 2017, pela Portaria nº 29 do ministério da saúde a incorporação do Trastuzumabe para tratamento de câncer de mama metastático HER-2 positivo na primeira linha de tratamento. O prazo máximo para efetivar a oferta ao SUS é de 180 dias. Esse tratamento vem sendo negado aos pacientes há 2 décadas, sendo necessário entrar na justiça para adquiri-lo. Essa foi uma iniciativa da sociedade brasileira de oncologia clínica ( SBOC)

Leia Mais

Fatores dietéticos no câncer de pulmão

Fatores dietéticos no câncer de pulmão

Que o câncer de pulmão é altamente relacionado ao tabagismo isso já é sabido de todos. O que não sabemos claramente é se há relação entre alguma dieta e o risco de desenvolver a doença. Um estudo que observou mais de 1 milhão de participantes em vários países do mundo tentou avaliar o uso de dietas ricas em gordura com o risco de desenvolver câncer de pulmão.

Leia Mais

FDA aprova dois biossimilares contra o câncer.

FDA aprova dois biossimilares contra o câncer.

No dia 13 de julho 2017 o U.S Food and Drug Administration’s (FDA) Oncologic Drugs Advisory Committee (ODAC) recomendou aprovar por unanimidade as versões biossimilares do bevacizumab ( Avastim) e do Trastuzumab ( Herceptin). Já explicamos o que são biossimilares em outro post. Os membros desse importante órgão julgaram que não existem diferenças clinicamente significativas entre os biossimilares  e os medicamentos de referência.

Leia Mais

Câncer de mama ductal in situ: o que é?

Câncer de mama ductal in situ: o que é?

O câncer ductal in situ é uma forma de neoplasia inicial da mama. Ele é confinado a estrutura do ducto da mama e “in situ” porque não atingiu tecidos em volta dele. Sua incidência ao longo dos anos vem aumentando pelo maior número de mamografias realizadas para rastreamento de câncer de mama, diagnosticando tumores em fases mais iniciais. Costuma ser assintomático e geralmente é encontrado na mamografia.

Leia Mais

Câncer de intestino avançado : nova droga

Câncer de intestino avançado : nova droga

Recentemente disponível no Brasil mais uma droga contra o câncer de intestino avançado: aflibercept. A medicação pertence à classe dos inibidores de angiogênese. De acordo com os dados do estudo VELOUR, os pacientes em tratamento de segunda linha de câncer de intestino metastático que receberam quimioterapia em combinação com aflibercept viveram um pouco mais do que aqueles com quimioterapia isolada, porém as custas de maior toxicidade.

Leia Mais

Gravidez é segura após câncer de mama

Gravidez é segura após câncer de mama

Resultados de longo prazo de um estudo chamado POSITIVE que acompanhou mulheres que engravidaram após terem sido tratadas para câncer de mama em fases mais iniciais mostram-se confortantes. Após um seguimento de 1200 pacientes por 12 anos, não houve diferença de sobrevida livre de doença entre aquelas que engravidaram e não engravidaram. Em outras palavras, a gravidez não aumentou o risco de recorrência ou morte pela doença.

Leia Mais

Câncer de vias biliares: nova opção de tratamento

Câncer de vias biliares: nova opção de tratamento

Hoje vamos dar uma boa notícia sobre o câncer de vias biliares. Quando falamos de tumores de vias biliares estamos nos referindo aos tumores que surgem na vesícula biliar e também sobre o colangiocarcinoma. O colangiocarcinoma é o tumor que surge nas vias biliares do interior do fígado ou nas vias localizadas fora do fígado. Acomete principalmente pessoas entre 60-70 anos de idade. São tumores considerados raros. No congresso da sociedade americana de oncologia realizado no inicio de junho/2017 foi apresentado estudo com nova opção de tratamento para essa doença.

Leia Mais