Câncer de vias biliares: nova opção de tratamento

Câncer de vias biliares: nova opção de tratamento

Hoje vamos dar uma boa notícia sobre o câncer de vias biliares. Quando falamos de tumores de vias biliares estamos nos referindo aos tumores que surgem na vesícula biliar e também sobre o colangiocarcinoma. O colangiocarcinoma é o tumor que surge nas vias biliares do interior do fígado ou nas vias localizadas fora do fígado. Acomete principalmente pessoas entre 60-70 anos de idade. São tumores considerados raros. No congresso da sociedade americana de oncologia realizado no inicio de junho/2017 foi apresentado estudo com nova opção de tratamento para essa doença.

Somente cerca de 20% dos tumores de vias biliares são submetidos a uma ressecção cirúrgica completa do tumor. É a cirurgia a principal arma terapêutica. Para os pacientes operados, existiam poucos estudos na literatura para guiar a conduta médica mais adequada. O tratamento varia dependendo da extensão da doença e do centro onde o paciente é tratado. Opções usualmente empregadas são a observação clínica, quimioterapia adjuvante ou quimioterapia associada à radioterapia.

O estudo apresentado na ASCO esse ano incluiu 447 pacientes com tumores de vesícula biliar ou colangiocarcinoma submetidos à cirurgia com ressecção do tumor. Os pacientes foram randomizados para receberem quimioterapia adjuvante utilizando a capecitabina ( quimioterápico oral disponível no Brasil) ou observação clínica ( nenhum tratamento adjuvante).

Os pacientes tratados com a quimioterapia adjuvante tiveram um tempo de de vida superior àqueles que não receberam o tratamento.

O trabalho conduzido na Inglaterra preenche uma lacuna importante da literatura médica. A capecitabina adjuvante passa agora a ser considerada um tratamento adjuvante aceitável para os pacientes com tumores de vias biliares operados.

Referência

https://www.asco.org

Autor

Dr. Volney Soares Lima
CRM MG 33029 / RQE 15235
Médico Oncologista Clínico do Hospital Felicio Rocho e da clinica Oncocentro BH
Membro Titular Sociedade Brasileira Oncologia Clinica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *