Prevenção

Álcool e Câncer

Álcool e Câncer

Pelo menos um terço de todos os casos de câncer são preveníveis.

O controle do uso de bebidas alcoólicas é uma medida preventiva importante, pois atualmente sabe-se que o álcool, além de estar relacionado a várias patologias já conhecidas, como a cirrose hepática, doenças neurais, mentais e gástricas, também está relacionado como fator de risco em vários tipos de tumores malignos, incluindo cavidade oral, faringe, esôfago, fígado, colorretal, mama e pâncreas. O alcoolismo está relacionado a 2-4% de todas as mortes por câncer.

O risco de câncer está relacionado com a quantidade de álcool consumido e aumenta consideravelmente quando é associado ao tabagismo.

Leia Mais

Consumo de fibras alimentares e o câncer de mama

Consumo de fibras alimentares e o câncer de mama

O câncer de mama é o tipo mais comum de câncer em mulheres, com 1,4 milhões de novos casos diagnosticados no mundo inteiro em 2008, sendo 23% de todos os casos de câncer e 14% de causas de morte por câncer em mulheres. A incidência do câncer de mama aumenta com a industrialização e urbanização, e são maiores em países desenvolvidos do que naqueles em desenvolvimentos ou subdesenvolvidos.

Leia Mais

Tomografia Computadorizada e o Risco de Câncer

Tomografia Computadorizada e o Risco de  Câncer

A tomografia computadorizada (CT scan) é uma excelente técnica diagnóstica, e novos usos clínicos têm sido identificados. Como resultado, as taxas de uso de CT scan aumentaram rapidamente nos Estados Unidos e em outros lugares nos últimos 10 anos. Apesar de o beneficio imediato para o paciente ser substancial, a alta taxa de radiação da tomografia comparada com a radiografia convencional levanta preocupações relacionadas à saúde, principalmente para crianças, que são mais radiossensíveis que adultos.

Leia Mais

Rastreamento do Câncer do Colo Uterino

Rastreamento do Câncer do Colo Uterino

Tendo como principal agente causador o HPV, Papiloma vírus humano, o câncer do colo do útero ainda é responsável por um grande número de vítimas em todo o mundo. Como a principal via de transmissão deste vírus é a relação sexual, seu controle primário passa necessariamente pela orientação sexual. As mulheres com maior risco de desenvolver o câncer do colo do útero e suas lesões precursoras são as que iniciam a vida sexual precocemente, as que ao longo da vida se relacionam com vários parceiros sexuais sem uso de preservativos e as que têm filhos precocemente ou várias gestações. Felizmente, contaminar-se com o vírus não é o fator principal, ou seja, pequena porcentagem das mulheres que se contaminam vão desenvolver lesões clinicamente significantes. Isso ocorre porque outros fatores adjuvantes também exercem papel importante, como tabagismo, comprometimento do sistema de defesa (imunidade baixa) e falta de acesso a serviços de saúde para realização de exames de detecção precoce, seja por condições dos serviços de saúde, seja por falta de orientação e conscientização das mulheres.

Leia Mais

A aspirina protege contra o câncer?

A aspirina protege contra o câncer?

Um pouco de história

O ácido acetilsalicílico, conhecido como aspirina, foi conjugado em 1897 pelo laboratório alemão Bayer, sendo uma das primeiras criações da indústria farmacêutica. Passou a ser comercializado com grande sucesso em 1899 e somente em 1971 seu mecanismo de ação foi demonstrado por John Vane, que recebeu o premio nobel de medicina por sua descoberta em 1982.

A aspirina é um anti inflamatório não esteróide e age inibindo uma enzima chamada ciclooxigenase. Possui efeitos antitérmico, analgésico, antiinflamatório e antiagregante plaquetário.

Leia Mais

A Obesidade como fator de risco para Câncer

A Obesidade como fator de risco para Câncer

O Câncer e obesidade são duas das principais epidemias globais da atualidade. Quando se encontram num mesmo indivíduo, os efeitos são nocivos: a obesidade é o segundo maior fator de risco evitável para o câncer, perdendo apenas para o tabagismo, e a mortalidade do câncer é maior na população obesa. A obesidade, definida como um índice de massa corporal (IMC) maior do que 30 Kg/m2 (peso dividido pelo quadrado da altura), é hoje o maior problema de saúde pública nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Esta epidemia afeta as pessoas de todas as idades, níveis sócio-econômicos e raças. Levantamento realizado pelo Ministério da Saúde entre 2002 e 2005 mostra que 40% da população brasileira têm excesso de peso. Este número é o dobro do verificado em 1974. Ao mesmo tempo, 37% da população é insuficientemente ativa ou sedentária. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade está correlacionada ao aumento não só do risco de diabetes, doenças cardiovasculares (infarto e derrame) e de gordura no fígado (esteatose hepática), mas também do risco de câncer de cólon, rins, vesícula, esôfago, pâncreas e mama (neste último caso, sobretudo entre mulheres na menopausa). Obesidade tem sido estimada causar 20% de todos os cânceres (Wolin e cols., 2010).

Leia Mais

Tabagismo e Câncer

Tabagismo e Câncer

O tabagismo é uma tóxico dependência física e psíquica do consumo de nicotina, uma das substâncias presente no tabaco, na sua forma mais usual – cigarro.

O hábito de fumar cigarro iniciou na Europa em 1580, por Walter Raleigh, pessoa de confiança de Elizabeth I. Sua popularização se deu a partir de 1881, quando foi inventada a maquina que os manufaturava.

Atualmente, está isolado no cigarro 4.720 substâncias, a maioria cancerígena, contra 2.400 isoladas na década de 80.

Leia Mais

Exame de Sangue Oculto e Câncer do Intestino

Exame de Sangue Oculto e Câncer do Intestino

O câncer ou carcinoma colorretal (CCR) ou de intestino grosso é um importante problema de saúde pública nos países ocidentais. É o terceiro câncer mais comum e a terceira causa de morte por tumor no mundo, sendo que um em cada três pacientes não sobreviverá à doença. No Brasil ocorrem cerca de 30 mil novos casos da doença por ano, sendo que na região Sudeste é a segundo tipo de tumor mais letal em mulheres e o terceiro em homens.

Leia Mais

Por que realizar o exame de toque retal?

Por que realizar o exame de toque retal?

A próstata é uma glândula sexual acessória localizada entre a bexiga e o pênis. Em condições normais é pequena, do tamanho aproximado de uma noz com peso médio entre 20 e 25gr. Tem a função de produzir a secreção prostática, um meio de transporte líquido adequado à condução dos espermatozoides e, portanto, imprescindível à reprodução humana.

Com o avançar da idade, há uma tendência natural ao crescimento prostático bem como o surgimento de doenças. Homens a partir de 40 anos (especialmente aqueles que têm história familiar de câncer de próstata) ou após 45 anos (independente da história familiar) devem se submeter ao exame digital da próstata (toque retal). Trata-se de um exame que deve ser indolor ou de pouco incômodo ao paciente. Ao exame, o médico percebe aproximadamente 60% da superfície da próstata sendo que, cerca de 70 % dos tumores prostáticos se localizam nesta área podendo ser perceptíveis ao toque.

Leia Mais