Prevenção e hábitos saudáveis: caminhos para a saúde da Mulher

Prevenção e hábitos saudáveis: caminhos para a saúde da Mulher

No mês da mulher nada mais apropriado que falar sobre a saúde feminina e o desafio de combater e diminuir a incidência dos diversos tipos de cânceres. No Brasil as estatísticas são um alerta: só no ano passado o Instituto Nacional do Câncer (Inca) estimava cerca de 300 mil novos casos de câncer em brasileiras. Mas ao menos um terço dessas ocorrências podem ser prevenidas com escolhas saudáveis, ou seja, alimentação adequada, prática de exercícios, não fumar, beber moderadamente, evitar exposição prolongada ao sol, sexo protegido, entre outras opções.

Entre os cânceres mais comuns nas mulheres, o de tireoide ocupa a quinta posição em incidência feminina e o diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento. Por isso, é importante o autoexame da tireoide com frequência. O surgimento de um nódulo na região anterior do pescoço pode ser um sinal de alerta e é importante que se procure um especialista.

Quando falamos de cânceres de cabeça e pescoço, as glândulas salivares também são motivo de preocupação, uma vez que podem ser local de desenvolvimento de tumores benignos e malignos, estes últimos tendo como origem as próprias glândulas ou metástases decorrentes de tumores em outras localidades. Este tipo de neoplasia maligna representa em torno de 5% dos tumores das regiões da cabeça e pescoço.  Considera-se que a exposição à radiação está entre os fatores de risco mais conhecidos, seguido de outros como virais (EBV). A doença é mais comum em pacientes do sexo feminino e tem maior incidência entre as mulheres entre 45 e 60 anos de idade.

Os tumores de língua, céu da boca, faringe, laringe e amígdala, ou seja, os cânceres de cabeça e pescoço, têm aparecido em pessoas jovens, entre 30 e 40 anos, que não são fumantes, não bebem ou bebem pouco, inclusive mulheres, mudança de padrão que é atribuída ao incremento de infecções provocadas pelo papilomavírus humano, o HPV, as quais facilitam a formação destes tumores. O HPV é transmitido pelo contato direto com a pele ou mucosa infectada e, muitas vezes, pode se esconder em áreas não cobertas pela camisinha. Por outro lado, a higiene íntima e bucal pode reduzir o risco de infecções pelo vírus e proteger as pessoas do desenvolvimento de tumores, sobretudo os de amígdala, da orofaringe (parte da garganta logo atrás da boca) e de língua.

A mulher, cada vez mais protagonista de sua história, e que atualmente compartilha com os homens trajetória de sucesso em carreiras nos diversos campos de conhecimento, deve ser a principal agente promotora de sua saúde e evitar que padrões tidos como masculinos e que sempre contribuíram para o desenvolvimento de câncer de cabeça e pescoço, como excesso de fumo e bebida e falta de higiene bucal, sejam incorporados à sua vida. Um brinde à saúde e realizações de todas as mulheres de nosso Brasil.

Autor

*Marcus Borba é cirurgião de Cabeça e Pescoço, professor adjunto da Faculdade de Medicina da UFBA, líder da Unidade Especializada em Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital Português e coordenador do Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital Roberto Santos. 

 

Comments (1)

  1. Pingback: Jacarandá Comunicação » Em artigo, Dr. Marcus Borba fala sobre os cânceres de cabeça e pescoço em mulheres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *