Sem categoria

Câncer de próstata inicial: podemos somente observar?

Câncer de próstata inicial: podemos somente observar?

O câncer de próstata afeta muitos homens no mundo e seu tratamento tem mostrado muitos avanços nos últimos anos. Geralmente a doença é localizada, detectada por rastreamento realizado com PSA. O tratamento depende do estágio da doença e tumores iniciais podem ser tratados com cirurgia, radioterapia, bloqueio hormonal e até mesmo observação(clique aqui).

Muitos pacientes ficam inseguros de não iniciarem um tratamento logo ao diagnóstico. O estudo americano PIVOT, publicado em agosto/17 em uma revista de grande relevância na Oncologia, mostrou que pacientes com câncer de próstata localizado podem ser conduzidos apenas com observação, sem diferença significativa na mortalidade quando comparados com o tratamento cirúrgico.

Esse estudo avaliou 731 homens com câncer de próstata localizado com valores de PSA menores que 50 ng/mL (média de 7,8 ng/mL), submetidos à prostatectomia radical (retirada da próstata) ou somente observação (controle de PSA e avaliação de sintomas). O desfecho primário foi mortalidade por todas as causas e, após quase 20 anos de seguimento, o estudo mostrou que o tratamento cirúrgico não foi associado a taxa de mortalidade significativamente menor que a observação, principalmente em pacientes com PSA menor que 10 ng/dL.

Os pacientes submetidos à cirurgia apresentaram menor frequência de progressão assintomática ou local da doença, porém com maiores índices de complicações (incontinência urinária e disfunção erétil).

A decisão do melhor tratamento nem sempre é fácil. O tratamento do câncer de próstata deve ser individualizado, levando em consideração as caraterísticas de cada paciente e o perfil de agressividade da doença.

 

Referência:
http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1615869

 

Autora

Dra Ana Carolina Barbosa CRM MG 54625

Médica residente de Oncologia clínica do Hospital Felicio Rocho

Leia Mais

FoundationOne: Exame genético

FoundationOne: Exame genético

Hoje sabemos o quanto é complexo o tratamento de cada tipo de câncer. Usamos a divisão de acordo com cada local no corpo como pulmão, mama, intestino, próstata, etc. Mas já sabemos que em cada tipo de doença ocorrem inúmeras alterações no DNA variando de tumor e de indivíduo. Conforme essas descobertas vem evoluindo, a quimioterapia tradicional vem dando lugar a novas drogas mais eficazes e menos tóxicas que agem no DNA lesado. FoundationOne é um exame genético detalhado que revela alterações do câncer do paciente que possibilita identificar tratamento alvo que ainda não havia sido considerado.

Leia Mais

Diagnóstico e tratamento precoce são as principais armas contra o câncer de glândula salivar

Diagnóstico e tratamento precoce são as principais armas contra o câncer de glândula salivar

As glândulas salivares produzem a saliva, fundamental no processo digestório, na proteção contra infecções orais e contra a cárie dentária. Existem vários tipos diferentes de glândulas salivares encontradas dentro e perto da cavidade oral, que podem ser local de desenvolvimento de tumores benignos e malignos. A maioria desses tumores não é cancer e portanto não vai se espalhar para outras partes do corpo e raramente vai ameaçar a vida do indivíduo. Esses tumores benignos são curados com cirurgia e, em situações raras, caso fiquem um longo tempo sem tratamento podem se tornar cânceres.

Leia Mais

Tumor GIST: o que é e como é tratado

Tumor GIST: o que é e como é tratado

GIST, do inglês Gastrointestinal stromal tumours, compreende um grupo de neoplasias que acomete o tecido de sustentação do trato gastrointestinal (esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso, reto, omento e peritônio). São tumores bastantes raros compondo cerca 0,1-3% de todos os tumores do trato gastrointestinal, sendo que 60 a 70% deles são de estômago, 20-30% originam no intestino delgado e 5 a 10% de outros sítios. O tratamento é baseado em cirurgia e drogas alvo.

Leia Mais

O Efeito Angelina Jolie: impacto verdadeiro ou cenas de cinema?

O Efeito Angelina Jolie: impacto verdadeiro ou cenas de cinema?

No ano de 2013 Angelina Jolie decidiu se submeter a uma cirurgia para a retirada das duas mamas como uma maneira de prevenção de câncer de mama. A opção da atriz foi feita após a realização de um teste genético que mostrou que ela é portadora de uma mutação no gene do BRCA . Essa mutação aumenta o risco de câncer de mama e de outros tipos de câncer. A notícia teve repercussão mundial e influenciou diversas mulheres a fazerem tanto o teste genético quanto a cirurgia. O que a ciência quer saber é: será que este impacto foi verdadeiro?

Leia Mais

Câncer de tireoide, saiba um pouco mais.

Câncer de tireoide, saiba um pouco mais.

O câncer de tireoide é o tipo de tumor endócrino mais frequente. Ele é bem mais comum nas mulheres que nos homens. A incidência desse tipo de câncer vem aumentando nos últimos anos. Isso ocorre principalmente devido melhora dos métodos diagnósticos. Hoje a maioria dos casos são descobertos precocemente ( tumor micropapilar) e a taxa de cura é muito boa. O tipo histológico mais comumente diagnosticado é o papilar.

Leia Mais

Ribociclib: nova droga contra o câncer de mama

Ribociclib: nova droga contra o câncer de mama

O tratamento do câncer de mama avança de forma rápida. Como já falamos em outros posts o câncer de mama não é uma doença única. Existem vários subtipos da doença. O câncer também pode se classificar ainda como sendo localizado ou metastático. Hoje vamos conversar sobre o câncer metastático, ou seja quando as células tumorais atingem outros órgãos. Uma nova droga chega nesse cenário: o ribociclib.

Os principais objetivos do tratamento nessa fase são: reduzir o volume de doença, melhorar os sintomas da paciente, controlar a doença por mais tempo, aumentar o tempo de vida da paciente e melhorar a qualidade de vida.

Leia Mais

Câncer de mama metastático: nova estratégia

Câncer de mama metastático: nova estratégia

Por ser muito frequente, o câncer de mama está entre as doenças mais estudadas da medicina. Isso se reflete no melhor resultado dos tratamentos atuais. No congresso da sociedade europeia de oncologia (ESMO) uma nova estratégia foi apresenta, com ganhos significativos para as pacientes. Discutiremos aqui sobre o câncer de mama metastático. Situação onde as células do câncer de mama atingem outros órgãos.

Leia Mais