FalandoSobreCâncer

Neratinib: nova droga para o câncer de mama

Neratinib: nova droga para o câncer de mama

O câncer de mama é o tumor mais comum nas mulheres em todo o mundo e felizmente seu tratameto têm melhorado muito nos últimos anos. Esse avanço foi possível com a descoberta de novos medicamentos. Para entendermos esses novos tratamentos é importante lembrar que na verdade o câncer de mama não é uma doença única. Existem subtipos do câncer de mama. Eles apresentam diferentes comportamentos, com alguns tumores muito agressivos, outros menos.

Leia Mais

Combinação de duas drogas comuns pode inibir metástases do câncer de mama

Combinação de duas drogas comuns pode inibir metástases do câncer de mama
Leia Mais

Ganglioneuroma: entenda um pouco

Ganglioneuroma: entenda um pouco

Ganglioneuroma é um tumor benigno muito raro, incluído na família dos tumores de nervos periféricos, que se origina das células do sistema nervoso simpático. Esse sistema nervoso é responsável pelo controle involuntário de vários órgãos e glândulas do nosso organismo. Por exemplo, o sistema nervoso autônomo age dilatando as pupilas e aumento a frequência cardíaca em situações de estresse, independente da nossa vontade.

Leia Mais

Medicina alternativa e seu impacto na sobrevida no câncer.

Medicina alternativa e seu impacto na sobrevida no câncer.

Existe um pequeno número de pacientes que se recusa ao tratamento convencional do câncer que envolve quimioterapia, radioterapia e cirurgia. Alguns procuram tratamentos com medicina alternativa. Uma pesquisa de Yale Cancer Center in New Haven mostrou que essa escolha pode ser perigosa, elevando o risco de morte em 2,5 vezes em comparação àqueles que tratam da forma convencional.

Leia Mais

Câncer de próstata inicial: podemos somente observar?

Câncer de próstata inicial: podemos somente observar?

O câncer de próstata afeta muitos homens no mundo e seu tratamento tem mostrado muitos avanços nos últimos anos. Geralmente a doença é localizada, detectada por rastreamento realizado com PSA. O tratamento depende do estágio da doença e tumores iniciais podem ser tratados com cirurgia, radioterapia, bloqueio hormonal e até mesmo observação(clique aqui).

Muitos pacientes ficam inseguros de não iniciarem um tratamento logo ao diagnóstico. O estudo americano PIVOT, publicado em agosto/17 em uma revista de grande relevância na Oncologia, mostrou que pacientes com câncer de próstata localizado podem ser conduzidos apenas com observação, sem diferença significativa na mortalidade quando comparados com o tratamento cirúrgico.

Esse estudo avaliou 731 homens com câncer de próstata localizado com valores de PSA menores que 50 ng/mL (média de 7,8 ng/mL), submetidos à prostatectomia radical (retirada da próstata) ou somente observação (controle de PSA e avaliação de sintomas). O desfecho primário foi mortalidade por todas as causas e, após quase 20 anos de seguimento, o estudo mostrou que o tratamento cirúrgico não foi associado a taxa de mortalidade significativamente menor que a observação, principalmente em pacientes com PSA menor que 10 ng/dL.

Os pacientes submetidos à cirurgia apresentaram menor frequência de progressão assintomática ou local da doença, porém com maiores índices de complicações (incontinência urinária e disfunção erétil).

A decisão do melhor tratamento nem sempre é fácil. O tratamento do câncer de próstata deve ser individualizado, levando em consideração as caraterísticas de cada paciente e o perfil de agressividade da doença.

 

Referência:
http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1615869

 

Autora

Dra Ana Carolina Barbosa CRM MG 54625

Médica residente de Oncologia clínica do Hospital Felicio Rocho

Leia Mais